Esta foi a sua vida

Biblia

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

http://www.illuminatiofficial.org/


The Illuminati

A Brief Introduction

The Illuminati is an elite organization of world leaders, business authorities, and other influential members of this planet. Our collective unites influencers of the world in an unrestrictive and private domain, free of political, religious, and geographical boundaries to further the prosperity of the human species as a whole.
While our operations require anonymity for the safety of our members, we strive to create a better understanding between us and the people we have been entrusted to protect.

What Is The Illuminati?

The Illuminati is both plural and singular: all are one, we are all.
The Illuminati is an elite collective of political leaders, business owners, entertainment celebrities, and other influential members of this planet. By uniting influencers of the world in an unrestrictive, private domain — free of political, religious, and geological boundaries — our organization helps to further the prosperity of the human species as a whole.
Managing the lives of over 7 billion humans is a daunting task. Our duty to this planet has spanned across centuries and survived even the most established government entities. To continue functioning throughout societal and generational changes, The Illuminati’s operations often require anonymity for both our members and our work.
In 2013, the Illuminati authorized the formation of the Department Of Citizen Outreach. Through various initiatives and campaigns, including this website, the Illuminati has committed itself to furthering our relationship with our citizens.
You will not find us praised in any history book or document. However, members of the Illuminati have helped shape every major movement on this planet since the first human government was established. Our work is often marked by distinct symbols as a means of tracing our influence through history for those wishing to investigate.
With gentle and unknown guidance from our organization, the human species is allowed to function in their natural order while playing the part of gears in a machine for the betterment of the world.

http://www.otempo.com.br/interessa/sa%C3%BAde-e-ci%C3%AAncia/tatuagem-eletr%C3%B4nica-gera-energia-a-partir-de-suor-e-biobateria-1.900041

http://olhardigital.uol.com.br/noticia/motorola-quer-registrar-patente-de-tatuagem-que-funciona-como-microfone/38705

http://tecnologia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/06/03/pilulas-e-tatuagem-eletronica-podem-substituir-senhas-em-breve-diz-especialista.htm

http://info.abril.com.br/noticias/tecnologia-pessoal/2013/11/google-cria-tatuagem-eletronica-que-detecta-mentiras.shtml

https://www.youtube.com/watch?v=GoEf--WF0Ew&noredirect=1

http://idgnow.com.br/internet/2014/03/20/futuro-da-tecnologia-voce-esta-pronto-para-ter-uma-tatuagem-eletronica/

http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/empresa-lanca-tatuagem-eletronica-para-desbloqueio-do-celular-13352054

Tatuagem eletrônica capta sinais cerebrais e abre caminho para telepatia


Tatuagem eletrônica capta sinais cerebrais e abre caminho para telepatia

Do UOL, em São Paulo

 Ouvir texto

0:00
 Imprimir Comunicar erro
Ampliar


Veja os principais destaques do encontro da Associação Americana de Ciência11 fotos

1 / 11
Futuro da telepatia - Adesivo ultrafino e flexível colocado na testa pode monitorar a atividade cerebral de pacientes com uma transmissão de dados sem fio. A tatuagem eletrônica, como o dispositivo foi apelidado, tem fins médicos e, também, grande potencial para ser usado como ferramenta de interação social, um caminho para a telepatia. "Nós demonstramos que os sensores podem captar sinais elétricos dos músculos da garganta para que as pessoas se comuniquem apenas por pensamento", explica o estudo Todd Coleman/UCSD
Uma tatuagem pode dizer muito de uma pessoa, principalmente sobre seus sinais vitais, garante um pesquisador da Universidade da Califórnia, em San Diego, nos Estados Unidos. O professor de bioengenharia Todd Coleman desenvolveu sensores ultrafinos e flexíveis que podem ser colocados temporariamente na pele para monitorar a atividade cerebral de pacientes e, assim, acabar com os exames nas enormes máquinas de eletroencefalograma.
Isso porque o novo método de interação cérebro-máquina difere-se dos outros experimentos por usar uma técnica não-invasiva e, mais importante, com transmissão de dados sem fio – o que garantiu o apelido de tatuagem eletrônica. 
A intenção do pesquisador em sofisticar a interface cerebral é impedir que ela fique restrita a laboratórios, já que tem grande potencial como uma poderosa ferramenta de interação social, usada na telepatia - seja para que as pessoas conversem umas com as outras sem se falar, ou para operar máquinas e sistemas à distância, usando apenas o poder da mente.
"Nós demonstramos [com o estudo] que os sensores podem captar sinais elétricos dos músculos da garganta para que as pessoas se comuniquem apenas por pensamento", explica Coleman. "Queremos algo que também possa ser usado em um café para [o público] se divertir."
Como funciona
O dispositivo consiste de camada de poliéster plástico que pode ser esticado, torcido e dobrado, para acompanhar o movimento natural da pele humana e ter boa durabilidade. Além disso, ele é tão fino quanto um fio de cabelo (menos de cem mícrons de espessura, ou 0,1 milímetro), por isso, fica imperceptível quando grudado no corpo.
Dentro dele é implantado um circuito com células solares, que captam os sinais elétricos das ondas cerebrais; sensores térmicos, que monitoram a temperatura da pele; e detectores de luz, que analisam os níveis de oxigênio no sangue.
Coleman afirma que já está aplicando os resultados da pesquisa, que foi apresentada durante a última reunião da AAAS, para controlar o ritmo de cérebro de bebês prematuros que sofreram lesão cerebral durante o parto.
Além disso, as tatuagens eletrônicas podem ser aplicadas em outras partes do corpo, como garganta, agindo com um microfone subvocal, ou membros, para monitorar a atividade muscular de braços e pernas de atletas.