Esta foi a sua vida

Biblia

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

NASA trabalha em projeto de casa espacial para primeira colônia humana em Marte

NASA trabalha em projeto de casa espacial para primeira colônia humana em MarteAs casas têm 93 m² e serão as instalações dos primeiros humanos no planeta vermelho

CorreioWeb - Lugar Certo
Publicação: 16/12/2014 11:52 Atualização: 16/12/2014 11:51

 (Hawaii Space Exploration Analog & Simulation/Reprodução)


De todos os corpos celestes que vagam no espaço, poucos despertam tanta curiosidade e admiração quando o nosso vizinho de Sistema Solar, Marte. O planeta está na rota da exploração espacial desde 1960, e já recebeu diversas sondas, satélites e, recentemente, o Curiosity, um robô projetado exclusivamente para explorar o solo do planeta. Apesar disso, até hoje, nenhum humano colocou os pés em Marte. 

A Nasa planeja a primeira missão tripulada para a década de 2030, mas a preparação para a viagem já começou. Próximo ao vulcão Mauna Loa, no Havaí (EUA), grupos de cientistas se revezam para passar meses numa casa localizada a 2,4 mil metros acima do mar, em um treinamento que faz parte do programa batizado de Hi-Seasque, que simula como seria o lar dos astronautas em Marte.

Leia mais notícias em Últimas

Os arredores do vulcão lembram as condições de vida no planeta vermelho, que é árido e com pouca vegetação. A construção tem 93 m², seis quartos, uma cozinha, sala de estar e sala de jantar. O objetivo é descobrir quais eventuais problemas poderiam ocorrer no espaço. 

 (Hawaii Space Exploration Analog & Simulation/Reprodução)


A eletricidade é fornecida por energia solar e no dia a dia, os grupos de cientistas vivem situações que simulam as condições marcianas. Blackouts, confinamento em ambientes pequenos e uso restrito de água são algumas das dificuldades enfrentadas. A casa conta ainda com uma impressora 3D, para fazer eventuais ferramentas que possam ter sido esquecidas. 

O programa é financiado pela Nasa, Universidade do Havaí e Universidade de Cornell e a primeira fase do programa custou US$ 1,2 milhão, ou aproximadamente R$ 3 milhões.

 (Hawaii Space Exploration Analog & Simulation/Reprodução)

 (Hawaii Space Exploration Analog & Simulation/Reprodução)