Esta foi a sua vida

Biblia

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

NEPOTISMO NO MEIO EVANGÉLICO

NEPOTISMO NO MEIO EVANGÉLICO -

Nepotismo é parte da tradição católica. Nepos, em latim, significa neto ou descendente.
Chamava-se “nepote” o sobrinho do papa. Como os papas não tinham filhos (alguns tiveram, mas é outra história), mas tinham sobrinhos, nomeavam a sobrinhada toda para cargos na burocracia da Igreja Católica. Eram bispos, cardeais, membros da Cúria Romana. E por aí vai.
As monarquias católicas praticavam o nepotismo deslavado, porque não havia uma separação nítida entre o público e o privado. O reino pertencia ao rei. E ponto final.
Napoleão Bonaparte, que se tornou imperador conquistando a coroa na ponta da espada, levou o nepotismo ao paroxismo. Entregou reinos inteiros para os irmãos e generais amigos: José foi coroado rei da Espanha; Luís, rei de Nápoles; o general Bernadotte virou rei da Suécia (a dinastia Bernadotte está no trono sueco até hoje).
Uma das críticas dos líderes protestantes à Igreja Católica era justamente a prática de os papas considerarem a Igreja “coisa sua” (ou “cosa nostra”).
Por isso, os países protestantes passaram a combater o nepotismo e a adotar regras de impessoalidade e meritocracia na administração pública.
(Nos Estados Unidos, no início da década de 60, o recém-empossado presidente John Kennedy quase sofreu um processo de impeachment aos vinte minutos do primeiro tempo, porque teve a ousadia de nomear seu irmão Robert Kennedy Attorney-general (o equivalente a ministro da Justiça). Foi um escândalo!
No Brasil, o nepotismo chegou com as caravelas de Cabral. Pero Vaz de Caminha, escrivão-mor da frota, encaminhou carta ao rei d. Manuel I, dando conta da descoberta de uma terra generosa, “onde se plantando, tudo dá”.
No final, Caminha pedia ao rei que arranjasse um emprego para um sobrinho, rapaz muito competente e cumpridor dos deveres... Pois é.
A palavra “pistolão”, tão empregada no Brasil, vem de “epístola” (carta). Daí a carta de apresentação. Tudo se originou na prática do nepotismo, registrado na carta de Caminha.
Por tudo isso, é muito bem-vinda a iniciativa do STF de disciplinar a ocupação dos cargos públicos e proibir a contratação de parentes sem concurso.
Mas vou me permitir uma dose de saudável ceticismo.

Fonte: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/luciahippolito

NEPOTISMO NO MEIO EVANGÉLICO
Monarquia evangélica

Numa época de extrema crise moral, em que o Nepotismo praticado no meio político tem sido alvo de severas críticas por parte da mídia e da sociedade em geral, é possível detectarmos tal prática em alguns "arraiais" evangélicos desse país. Lideranças eclesiásticas que governam sobre grandes rebanhos decidiram compartilhar a "gordura das ovelhas" com seus queridos familiares, adotando um modelo administrativo do tipo "mordomia familiar", sendo assim, nomeando parentes e agregados para os principais cargos da igreja, vale salientar que tais nomeações são acompanhadas de generosas remunerações, que comumente é chamada de panelinha. Tais procedimentos são fundamentados por meio de atos supostamente democráticos com o intuito de legitimar o Nepotismo. Tais lideranças se empenham em projetar uma imagem de ortodoxos e conservadores para justificar o seu autoritarismo e intimidar o rebanho e amordaçar os indivíduos para evitar qualquer questionamento dos seus atos, pois, nesses sistemas não existe espaço para críticas, porque implicitamente se proclama um tipo de "infalibilidade pastoral". É lamentável admitirmos que no Brasil existem grandes ministérios, cujo o Nepotismo é uma prática tão evidente. Infelizmente ainda existe muita ingenuidade e alienação no meio evangélico, pois, basta alguém dizer "Deus me revelou" , " O Senhor me falou", é suficiente para que uma grande maioria aceite qualquer imposição sem nenhuma reflexão, nem se quer procuram analisar a partir das Escrituras Sagradas. Uma minoria consciente nesses contextos fica sem poder de reação diante de uma maioria alienada, vale lembrar aqui o "mito da caverna" do filósofo grego Platão.
Apesar dos argumentos desenvolvidos até agora, entendo que pode ser apropriado, coerente e até mesmo da vontade de Deus, que alguns líderes utilizem parentes, nomeando para cargos administrativos ou consagrando-os ao sacro ministério, todavia, isso deve ser feito de forma equilibrada e transparente, com o conhecimento e aprovação geral do grupo. Infelizmente, alguns líderes encontraram no ministério ou na administração eclesiástica uma solução para os seus filhos e parentes em geral, que não conseguiram nenhum êxito na vida secular, isto é, não são aptos para nada, só para o ministério eclesiástico. Vivemos em um país com altos níveis de desemprego, onde as pessoas que têm uma formação profissional ou acadêmica, conseguiram tal feito com muita luta e sacrifício. Não é justo justo nem honesto que profissionais habilitados fiquem de fora do mercado de trabalho, enquanto alguns setores da sociedade praticam essas políticas parternalistas que beneficiam um "bando" de incompetentes e excluem os verdadeiramente habilitados. É tremendamente contraditório quando tal atitude é praticada no contexto cristão-evangélico, o que é totalmente contrário a doutrina da mordomia cristã ensinada na Palavra de Deus, nesse contexto, o apóstolo Paulo diz "Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus" I Co 4.1. Despenseiro não combina com Nepotista. Como profetas do Senhor e arautos da verdade não podemos nos omitir diante de tais abusos, não podemos ser indiferentes a esse desvio de finalidade praticado por algumas lideranças evangélicas nessa nação. Esses tais precisam saber que não são donos da igreja, não podem manipular o patrimônio do povo Deus da maneira que bem entenderem.